O Peso da Não Normalidade Por Violeta Alvez

by - janeiro 17, 2020


(Texto en español a continuación)


- Quase não consegui vir para a consulta de hoje... - Disse enquanto puxava a manga da minha blusa, para mostrar o curativo, devido ao soro com altas doses de remédios para dor que tomei no dia anterior.

- Mas porque? - Ele questionou.

- Ontem acordei com muita dor, e fui ao hospital para tomar remédio, intravenoso sempre resolve mais rápido - Respondi.

- Mas dor? Dor de que? - Por um momento, eu fiquei em silêncio pensando "Ele não sabe que tenho ossos de vidro?"

- Porque eu acordei com dores... Nas pernas, no frio sempre piora. -

Ele permaneceu me olhando sem entender.

- Tenho Osteogênese, Ossos de vidro, por isso a dor. -

- Nossa, jamais imaginaria - Ele disse em tom surpreso - Você parece tão normal...-

Tão normal. Já ouvi isso tantas vezes, de tantas pessoas, elas sempre dizem num tom buscando me acalmar, "relaxa você parece quase normal". Não sabiam como machucava.
O que é normal? O que é quase normal? O que não é normal?

Quando então, eu usava cadeira de rodas, eu não era normal? Nos dias em que minhas pernas doem mais, e por isso, acabo mancando mais, não sou normal?
Sou normal então, nas minhas fotos de busto que não mostram minha altura? Sou normal quando escondo meus braços por eles serem muito compridos?

Uma vez, escutei uma pessoa que gosto muito, falando sobre "ser passável", que é uma palavra que não existe, mas que quer dizer quando você é só mais um na multidão, quando você é igual a todos e não chama atenção.
Eu nunca soube muito bem o que é "ser passável", eu sempre chamei atenção, e até nos dias em que "nossa, pareço normal" eu ainda chamo atenção. Até hoje.

E por tudo isso, por uma sociedade que diz o que é normal ou não, que diz o que é "ser passável" ou não, que muitas vezes é tão difícil sair de casa, muitos dias me escondo com camisetas largas. Muitas vezes nem saio.
Alguns dias, o peso do mundo não é apenas enorme, como dói. Dói os ombros, dói a alma. Andar na rua pra ir tomar um café dói demais. Não basta as dores nos ossos, o coração dói.
Sempre esperam que nós, pessoas com deficiência, fiquemos no último lugar. No fim da lista, escondidos, dentro de casa.

Ser honesto consigo mesmo e aceitar, entender, respeitar que tudo isso dói, é normal, e entender que tá tudo bem com os dias ruins, faz tudo ficar realmente bem.
Nos dias de hoje, dentro de um corpo riscado das fotos de revista, sair vestindo algo que mostre quem sou, é um ato político.
Alguns dias, as roupas vão doer, e em outros, nada vai me fazer parar, e tudo que eu espero, é que a segunda opção seja muito mais frequente na minha vida. E na sua também.


Violeta Alvez

twitter/ instagram/ facebook



(Traducción al español)


El peso de la no normalidad por Violeta Alvez


-Casi no logré venir a la consulta de hoy… - Dije mientras me remangaba la blusa para mostrar el vendaje que tenía por el suero con altas dosis de remedios para el dolor que tomé el día anterior.


-Pero por qué? - Preguntó


-Ayer me desperté con mucho dolor y fui al hospital para que me dieran remedios, intravenoso siempre resuelve todo más rápido - Respondí.


-Pero dolor? Dolor de qué? - Por un momento, me quedé en silencio pensando “No sabe que tengo huesos de vidrio?”


-Porque me desperté con dolores… En las piernas, con el frío siempre empeora.-


Me siguió mirando sin entender.


-Tengo osteogénesis, huesos de vidrio, por eso el dolor.-


-Por dios, jamás me lo hubiera imaginado - Dice con tono de sorpresa - Parecés tan normal…-


Tan normal. Ya escuché eso tantas veces, de tantas personas, siempre lo dicen con un tono de intentar calmarme, “relajate, casi parecés normal”. No saben cómo duele.
Qué es lo normal? Qué es casi normal? Qué no es normal?


Cuando usaba una silla de ruedas, yo no era normal? En los días en los que mis piernas duelen más, y por eso, termino cojeando más, no soy normal?
Soy normal entonces, en mis fotos que muestran de mi cintura para arriba sin que figure mi altura? Soy normal cuando escondo mis brazos por ser muy largos?


Una vez escuché a una persona que me gusta mucho hablando sobre “ser pasable”, que es una palabra que no existe, pero que quiere decir cuando sos una más en la multitud, cuando sos igual a todos y no llamás la atención.
Nunca supe bien qué es “ser pasable”, siempre llamé la atención, y hasta en los días en los que “por dios, parezco normal” igual llamo la atención. Hasta hoy.


Y por todo eso, por una sociedad que dice lo que es normal y lo que no, que dice lo que es “ser pasable” o no, que muchas veces es tan difícil salir de la casa, muchos días me escondo con camisetas largas. Muchas veces ni salgo.
Algunos días, el peso del mundo no solamente es enorme, sino que duele. Duelen los hombros, duele el alma. Andar en la calle para ir a tomar un café duele un montón. No basta con los dolores en los huesos, el corazón duele.
Siempre esperan que nosotros, personas con discapacidad, nos quedemos en el último lugar. En el final de la lista, escondidos, dentro de casa.


Ser honesto consigo mismo y aceptar, entender, respetar que todo eso duele, es normal, y entender que está todo bien con los días feos, hace que todo esté bien.
Al día de hoy, dentro de un cuerpo tachado por las fotos de las revistas, salir usando ropas que muestren quién soy, es un acto político.

Algunos días, las ropas van a doler, y en otros, nada me va a parar, y todo lo que espero es que la segunda opción sea mucho más frecuente en mi vida. Y en la tuya también.

You May Also Like

0 comentários